quinta-feira, 5 de julho de 2007

Política como profissão

Deputados do Paraná votam aposentadoria de R$ 10.200,00. Aposentado seria alcançado aos 60 anos de idade, cinco legislaturas e 35 anos de contribuição para regimes previdenciários. A assembléia legislativa pagará percentual para o fundo de previdência, como qualquer empresa paga aos seus funcionários. Não há o que se espantar, afinal política é profissão e é visto como um investimento de carreira e não de representação.
A questão divide os deputados. Alguns consideram abusivo o valor da aposentadoria em condições em que a maior parte dos brasileiros jamais se aposentou e se aposentará, mas outros, como os deputados Nishimori, avaliam como normal, “como qualquer outra aposentadoria”, segundo ele, citando empresas públicas que tem plano de previdência.
O grande problema da aposentadoria dos deputados é a falta de sentido da função. O que deveria ser uma representação social, uma ação em prol da sociedade, uma demonstração do direito do cidadão e da democracia como fator de construção e ação do Estado, ou mesmo e espírito virtuoso dos que nos representam, se transformou em um “bom emprego”.
Um emprego onde quem o exerce parece não ter patrão, define a suas próprias condições de trabalho e gera seus benefícios.
A vida política é tão atrativa quando o número de candidatos que surgem a cada eleição. Muitos, ao chegarem a função permanecem nela durante décadas, fazem carreiras públicas e um currículo recheado de nomeações e benefícios. Quem não quer um emprego deste?
Quando o deputados Doutor Batista afirma que a vida de um deputado é árdua e marcada por uma dedicação profunda, diria que o peso não faz com que os menos interessados “larguem o osso” ou o ônus. A representação pública, segundo Montesquieu deveria ser uma virtude, mas hoje está mais ligada ao retorno financeiro e as relações de favor.
Quanto a aposentadoria não é de se estranhar seu pedido, estamos diante de uma profissão de carreira e não de uma condição temporária.

Um comentário:

glauber disse...

É uma boa hora para se votar aumentos e futuras aposentadorias,hora esta em que o povo mais pobre do estado estão tentando ganhar seus r$ 300,00 por mês para pagarem oque comeram no mês anterior.
E a classe média ? A essa deixa passar,parte dela faz parte dos cargos comicionados pelos senhores parlamentares e a outra parte não qer se meter com briga de cachorro grande,afinal um dia ele pode vir a ocupar um dos respectivos cargos.Naquele pensamento a minha vez vai chegar,dias melhores estão por vir,etc.
Quanto aos ricos empresário e banqueiros,estão recebendo bem e aplicando o dinheiro público,fruto de propinas de lavagens.
E os indignados,ficam apenas indignados mesmo,falta coragem.

Afinal nem tudo esta perdido,a gente acaba se divertindo com as gafes do nosso presidente e com o nosso comedorzinho de mamona.
"Aja ou ajar" "Ler uma página de livro é pior que uma hora de esteira - Luiz Inacio Lula da Silva."

Att
Glauber