segunda-feira, 14 de maio de 2007

Maringá ontem e hoje

O titulo acima já foi orgulhosamente o título de um livro sobre Maringá, de um professor de História, que infelizmente não me recordo o nome. Relatava o desenvolvimento da região desde a colonização até as incertezas do final da década de 1970. Na indústria, agricultura e comércio marcavam a atividade econômica como condição e possibilidade. Hoje, se fossemos reescrever a obra teríamos que descartar a indústria, acrescentar a prestação de serviços e consolidar o comércio varejista. Contudo teríamos um novo elemento econômico de grande repercussão financeira, a contravenção. É meu caro, o tráfico de drogas, estelionato, falsificação, sonegação são algumas das atividades que tomam conta de nossa cidade. Se fossemos considerar o quanto elas injetam de capital na região, acredito que teríamos um “amanhã” bem diferente do que muitos pioneiros imaginaram.

6 comentários:

J. ROBERTO BALESTRA disse...

Soube hoje, pelo Rigon, acerca de seu blog (Aliás, o danado é o "termômetro blogger" de Mga, viu?). Parabéns, e seja bem vindo ao universo blogger.

Espero sua visita meu blog A BALESTRA http://jrbalestra.blogspot.com

marcelo disse...

Grande Gilson! Saravá, Aleluia! Quem bom que está de blog. Vamos marcar umas cervejas urgente!!

Marcelo Bulgarelli

Thomé disse...

Sucesso pra você, Gilson.
O nome da obra é "Maringá Ontem, Hoje e Amanhã", de Arthur Andrade (nome completo: Arthur de Oliveira Andrade Neto), nascido em São José do Rio preto, SP, em 25 de outubro de 1940, tendo chegado à cidade em 1953.
O exemplar que tenho é de 1979, impresso pela Rumo Gráfica Editora, de São Paulo.
A capa é de Reynaldo Costa; as fotos da capa são de Téofanes Nohama Sazanami; a revisão foi de Claudete Gilioli.
Uma contribuição de Walter Thomé Jr., sulsancaetanense (dá-lhe, Azulão) que também gosta muito de História.
Abraços.

Edson disse...

Ola meu amigo. Saudades das manhãs enroladas com telefone. Um grande abraço e adicionei seu blog (link) no www.edsonvalerio.zip.net

Kleber Men disse...

O nome é Arthur Andrade, como o nosso amigo lembrou. Pra quem teve o prazer de trabalhar no patrimônio histórico de Maringá, junto com o João LAércio, pode crêr que foi obrigado a ler o livro.
Sobre o assunto, devemos sim considerar esse fator importante. O mercado "negro" faz girar muito dinheiro na cidade. Quanto mais a polícia prende, mais o preço sobe e a galera começa a cometer delitos para bancar esse vício. É só liberar que elo menos, esse problema não nos aflingirá. Sou a favor da liberação das drogas!

Kleber Men disse...

Gilson, meu blog é: www.klebermen.wordpress.com

um abraço!!!